Minha Viagem Missionária

Minha Viagem Missionária

Gosto muito de evangelismo, acho que está no sangue porque tanto meus avós paternos como maternos eram evangelistas, e meus pais seguiram seus exemplos.

E eu não fiquei atrás. Certa vez, participei de uma viagem missionária a Coronel João Sá, uma das cidades mais pobres da Bahia.

Nunca vi um povo tão carente e tão hospitaleiro como aquele. Gostei tanto de poder ajudar aquela gente tão boa, pregando o evangelho e ensinando que Jesus é único caminho para se alcançar a salvação.

E também de falar do amor tão grande que Deus tem por nós que deu seu único filho para morrer na cruz para nos libertar do pecado e nos garantir a vida eterna ao seu lado. Voltei a Coronel João Sá mais duas vezes.

A nossa igreja havia contratado, em parceria com junta de missões, um casal de missionários que alugaram uma casa para eles e um ponto comercial para a congregação. O missionário é ex-jogador de futebol e usou sua habilidade para evangelizar os jovens e adolescentes organizando uma escolinha de futebol.

O trabalho começou a crescer. Mais tarde a igreja comprou um grande terreno onde será construída uma quadra de esportes, uma creche e o templo, se Deus quiser. Todas as vezes que vamos lá, levamos médicos, dentistas medicamentos, advogados e irmãos dispostos a trabalhar em evangelismo, cozinha, faxina.

Fazemos mutirão de evangelismo nas ruas, na feira e trabalhamos com livres nas praças projetamos filmes, visitando as autoridades. Fazemos, também, palestras para professores nas escolas.

Eu estava distribuindo folheto na feira livre quando me deparei com um senhor, que, depois que lhe falei de Jesus me pediu emocionado: “Moço, por favor, eu gostaria muito que fossem lá no Feijão, um povoado que fica a uns 8 ou 10 k da cidade”.

Aquilo me fez pensar: “Que estamos fazendo por esse povo que pede quase chorando que a gente obedeça a ordem de Jesus: ‘Ide e pregai o evangelho a toda criatura’? Que este episódio sirva para nos alertar da necessidade de sermos mais dedicados ao serviço de Deus… Amém

O trabalho daquele casal de missionário está dando tão certo que eles receberam o reconhecimento e admiração das autoridades da cidade, pois com seu trabalho conseguiram tirar das ruas e das drogas e levar a Cristo muitas almas.

Que Deus continue abençoando àquele querido casal.

 

Este texto foi um contribuição de Paulo Enon Rezende.
Paulo Enon é estofador aposentado, e tem mais de 60 anos de caminhada cristã.